Archives for setembro 2010

Nulla Bike – Reinventando a bicicleta

A Nulla Bike é uma bicicleta diferente, especial. Não é uma bicicleta motorizada. Não é uma bicicleta dobrável. Não está à venda, nem sequer em produção. Esta bike é apenas um protótipo, um projeto que passa por conceitos como a elegância, o design e a ergonomia.

O seu criador apresenta assim uma ideia original que não passa despercebida em nenhuma ocasião.

Num curto espaço de tempo espalhou-se na internet, boatos sobre sua produção gerando diversos debates entre os amantes do ciclismo. Também as publicações online e revistas de design não ficaram à parte do novo objeto da Bradford Waugh Design (Filadélfia, EUA), que neste momento pesquisa novas formas de melhorar – ainda mais – o design da peça.

[Read more…]

Copa Light de Ciclismo 2010: saiba como foi.

O Rio de Janeiro ainda vive o clima da 3ª Copa Light de Ciclismo, que aconteceu nos dias 25 e 26 de setembro. Neste fim de semana, os carros que transitam pela Avenida Presidente Vargas, no Centro da cidade, deram lugar aos cerca de 600 ciclistas com suas bicicletas de estrada, profissionais e amadores, que participaram da prova.

Entre os atletas da elite masculina, domínio total das equipes de São Paulo. O atleta do time Memorial de Santos, Fabiano dos Santos Mota, que é carioca, garantiu a vitória. Em 2º lugar ficou o ciclista da equipe de Pindamonhangaba, Mango Prado Nazaret e em 3º, Marcos Christian Novello também da Memorial de Santos.

Na prova feminina não foi diferente, as atletas de São Paulo também se destacaram. A equipe Funic/Marcondes Cesar/Gelog/Pindamonhagaba, que já havia feito uma dobradinha na prova de sábado, mais uma vez dominou as primeiras colocações. Valquíria Alessandra Pardial, segunda colocada na competição do dia 25, desta vez subiu no lugar mais alto do pódio. Ela apenas trocou de posição com a companheira de equipe, Flavia da Silva Souza, que terminou a prova deste domingo com a medalha de prata. Em 3º lugar ficou a representante do Rio, Lívia Bustamante, da equipe Raul Furtado.

A 3ª edição da Copa Light de Ciclismo distribuiu 28 mil reais para os atletas, e os que almejaram a premiação tiveram de fazer verdadeiras manobras de bicicleta e pedalar forte no percurso de 4 km de distância, todo realizado em terreno plano.

A Copa teve supervisão técnica da Confederação Brasileira de Ciclismo e da Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecierj) e pontuou para o ranking nacional, entre o 1º e 3º lugares de cada categoria.

A Copa Light de Ciclismo é organizada pela Conexão e é patrocinada pela Light. O presidente da empresa, Jerson Kelman, resume numa frase o significado que há em uma empresa de energia estimular a prática do esporte:

“A Light se interessa por qualquer tema relacionado ao uso eficiente da energia, elétrica ou humana”.

Adeus à correia da bicicleta!

Stringbike substitui a clássica correia cheia de graxa por limpos e eficientes cabos de aço.

As bicicletas estão conosco por mais de 200 anos e, embora os modelos atuais pareçam muito semelhantes, há sempre espaço para a inovação – como sempre apresentamos aqui no nosso blog. Isto tem sido demonstrado em alguns protótipos cujas vendas enfrentariam diversos obstáculos. Mas a Stringbike, de origem húngara, poderia muito bem se tornar uma opção comercial viável.

Como ela funciona?

Ao contrário do sistema comum, a Stringbike não utiliza correias e sim um princípio de impulso a partir de dois fios. Ainda segundo os criadores, essa mecânica de funcionamento, além de eficiente, traz mais conforto ao usuário.

Qualquer um pode notar que as bikes têm mudado ao longo dos anos. Modelos como a bicicleta motorizada e a elétrica são alguns exemplos que podem ser citados. Talvez essa mudança não seja de forma radical, mas é perceptível. Por exemplo, uma bicicleta sem uma correia pode parecer estranho. No entanto, modelos assim podem ser perfeitamente aceitos como uma opção comercial. A Stringbike é uma delas.

Como se isso não bastasse, as rodas da bicicleta podem ser facilmente removidas para economizar espaço e facilitar no transporte em um veículo. Embora seja fato que o mecanismo tradicional não precise de substituição, pense em todas as vezes que você teve a calça manchada de óleo da correia, ou que ela ficou difícil de pedalar pela falta de óleo ou desgaste.

Não temos certeza de quando a Stringbike estará à disposição do público, mas, se os custos de produção e preços finais forem mantidos a um nível razoável, não deverá demorar muito. Não dá pra dizer se esse preço será ou não inferior ao de uma bicicleta com motor, por exemplo, mas a expectativa para descobrir é grande.

Será que os dias das correias estão com seus dias contados? É aguardar para conferir.