Turbinando Bikes com a roda RevoPower!

Já pensou em algo que não fosse uma moto, mas também não fosse apenas uma bike ou uma bicicleta motorizada, e ainda fosse diferente de uma simples mobilete? Pois é, agora existe e se chama RevoPower. Na verdade, a RevoPower nada mais é do que uma roda, mas que faz toda a diferença, porque é uma roda motorizada.


A invenção funciona assim: a roda dianteira de sua bike é trocada pela roda Revopower, aí é só acelerar, ou quando quiser, pedalar feliz e contente. A potência da rodinha é de 1,1 cavalo, velocidade até 32 km/h e autonomia de aproximadamente 320 km com 3,8L de mistura gasolina-óleo.

Além da troca da roda antiga pela roda da RevoPower você deverá colocar o acelerador no guidão e o tanque de gasolina que pode ser colocado no lugar aonde ficaria a garráfa de água (cuidado para não beber gasolina). A roda deve chegar ao mercado ano que vem.


Claro que desvirtua um pouco a filosofia da bicicleta, porque quase deixamos de ter que pedalar, faz algum barulho, mesmo que mínimo, e consome combustível. Mas é melhor do que andar de carro e até mesmo de moto, sob o ponto de vista ambiental e de ruído, e até de exercício físico… Pode ser uma opção apelativa e perfeitamente válida para quem precisa de um empurrãozinho aqui e ali e/ou circule em zonas de terreno de declives acentuados.

Uma bicicleta elétrica movida à água… E talco!

Muitas empresas, incluindo fabricantes de automóveis estão surgindo com maneiras “limpas” para a alimentação de seus veículos. Mas, o que poderia ser mais verde do que uma bicicleta elétrica, que é alimentado por água?

A Signa é uma bicicleta elétrica que tira sua energia de células de combustível. Nada de células de hidrogênio instáveis, no entanto, essa magrela roda com células cheias de uma substância chamada siliceto de sódio em formato de talco. Ao adicionar água, o talco gera hidrogênio, que por sua vez gera eletricidade. Não há armazenamento de hidrogênio, o que torna a célula mais segura e toda a eletricidade não usada é guardada em baterias para uso futuro.

O melhor é que ao fim de uma célula você pode fazer um hot-swap, ou seja, trocar a célula por uma nova mesmo em movimento. Cada célula pesa pouco mais que 600 gramas e gera energia suficiente para você rodar por cerca de 50 km.

O hidrogénio produzido com esta técnica não é armazenado, o que torna o sistema perfeitamente seguro. O excesso de energia gerado é armazenado em baterias que pesam cerca de 680 gramas e que podem ser trocadas.

Apesar de a Signa já aceitar pré-encomendas para as células de combustível, a bicicleta em si não é um produto final. Trata-se de uma forma que a Signa encontrou para demonstrar sua tecnologia de células de energia. O objetivo da empresa é usar as células em veículos maiores, logo, não há qualquer indicação sobre a venda (ou não) das bicicletas.

A SUPER Bicicleta Motorizada da PG Bikes

Quando a empresa de bikes alemã PG BIKES disse que iria construir uma super bicicleta motorizada, eles não estavam brincando. O que você está vendo a cima é uma bicicleta elétrica, mas com certeza você vai ter de registrá-la como uma moto. Vamos aos porquês…

[Read more…]